Haroldo e Nilzinha percorreram os pontos de mototaxi distribuindo kits com preservativos e conversando sobre os riscos da Aids.

O coordenador do Centro de Cidadania LGBT de Queimados, Haroldo Alves, e a ativista Nilza Nascimento do ‘Rio sem Homofobia’ percorreram nesta quarta-feira, 26/12, as ruas do centro de Queimados, distribuindo um kit de prevenção e orientando a população sobre os cuidados necessários para evitar a contaminação por Aids.

Nos últimos anos, tem crescido em números absolutos os casos de Aids no Brasil, no Rio de Janeiro e também em Queimados. Desde 2014 a notificação dos casos de Aids é obrigatória para todas as unidades de saúde vinculadas ao SUS. Essa determinação do Ministério da Saúde fez vir à tona uma realidade antes mascarada pela subnotificação, produzindo um salto no número de casos.

Veja os números divulgados pelo Ministério da Saúde entre 2011 e 2016. Em 2017 foram registrados 42.420 novos casos.

Atualmente, o Brasil tem 866 mil pessoas portadoras do HIV ou com Aids, segundo estimativa o Ministério da Saúde. Destas, 92% estão com o vírus indetectável. A pessoa que é indetectável não transmite o HIV.

Essa dupla de ativistas LGBT, Haroldo Well e Nilzinha, apesar da chuva fina, estava na quarta, 26/12, nas ruas distribuindo kits preventivos e orientando as pessoas sobre os riscos da Aids.

Aqui em Queimados os ativistas LGBT estão empenhados em campanhas de prevenção e disponibilizam orientação e apoio para os interessados na sede do Centro de Referência de Promoção da Cidadania LGBT, que fica na Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Promoção da Cidadania, na Rua 1.495 (Rua do Fórum de Queimados).

O kit distbuído nesta quarta, 26/12, pelos ativistas LGBT continha camisinhas masculinas e femininas, um pirulito e um folder com orientação preventiva contra a Aids, além do endereço do Centro de Cidadania LGBT de Queimados.

PUBLICIDADE LOCAL

COMENTÁRIOS