Dezenas de mulheres queimadenses de todas as idades estarão reunidas neste sábado, a partir das 11:00 da manhã, na Praça N. S. da Conceição, em apoio a um movimento nacional de repúdio ao candidato do PSL à presidência da república, Jair Bolsonaro, lançado nas redes sociais através da hastag ‘#elenão’.

O ato de repúdio é uma resposta a algumas declarações machistas e desrespeitosas do candidato que chegou a dizer que sua filha foi concebida numa “fraquejada” que ele deu. “Eu tenho cinco filhos. Foram 4 homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”, disse o capitão Bolsonaro em uma entrevista à Revista Playboy, em junho de 2011.

As manifestantes queimadenses estarão estarão vestidas com camisetas da cor lilás, com a inscrição “Não voto em quem não me respeita” e vão distribuir panfletos e conversar com outra mulheres esclarecendo seu repúdio à visão machista do Capitão Bolsonaro.

A cor lilás, segundo elas, é para não ser confundida com nenhum partido político, já que o movimento é suprapartidário e reúne mulheres que votam em diversos partidos. ” O que nos une é a certeza de que um governo baseado no ódio não traz avanços para ninguém, será apenas retrocesso.”, afirma a farmacêutica Priscila Araújo, uma das organizadoras do #elenão em Queimados.

São muitas as frases e rompantes machistas e desrespeitosos de Bolsonaro. Em 2003, ele  disse numa discussão com a deputada Maria do Rosário (PT-RS): “Jamais iria estuprar você, porque você não merece”.  Durante a discussão, que foi gravada por uma rede nacional de televisão, o deputado ainda empurrou a parlamentar e a chamou de vagabunda.

Este ano numa polêmica entrevista com Luciana Gimenez, lembrando outra polêmica entrevista em 2015 ao jornal gaúcho Zero Hora, Bolsonaro, referindo-se à igualdade salarial entre homens e mulheres declarou  em relação à mulher que  “não empregaria com o mesmo salário”. Como ele fala rápido, o áudio ficou meio confuso, dando a entender também que não empregaria ‘com o meu salário’… Já os defensores de Bolsonaro preferem interpretar que ele não empregaria ‘com menos salário’.

Referindo-se ao movimento hastag ‘#elenão’, previsto para este sábado em vários cantos do país, Bolsonaro declarou à imprensa ontem, sexta-feira, 28/09: ” É um pequeno movimento de mulheres que querem abafar o grande da nossa candidatura” — reiterando que os atos não o preocupam.

Aliás, ontem, Bolsonaro estava com a autoestima elevadíssima. Em entrevista ao Datena, no Programa Brasil Urgente da TV Bandeirantes, gravada no hospital, ele declarou que não aceita outro resultado na eleição que não seja sua vitória, colocando mais uma vez sob suspeita o sistema eleitoral brasileiro lastreado no voto eletrônico,além de insinuar a existência de um plano petista para fraudar o pleito, sem, no entanto, explicar como isso se daria. Clique aqui para ler as declarações de Bolsonaro.

As pesquisas indicam que a maior taxa de rejeição a Jair Bolsonaro vem das mulheres. Vamos ver no que vai dar o hastag ‘#elenão”.

PUBLICIDADE LOCAL

COMENTÁRIOS